Em 1945, Gerd Müller nascia para revolucionar o futebol alemão

Artilheiro e multicampeão, Müller elevou o Bayern a outro patamar e recolocou a Alemanha na rota de títulos

Em 3 de novembro de 1945 nascia um dos principais nomes da história do futebol alemão. Na pequena Nördlingen, na Baviera, construída dentro de uma imensa cratera, Gerd Müller chegava ao mundo para escrever um capítulo à parte dentro do esporte.

Com apenas 15 anos de idade ele já defendia o time de sua cidade natal, onde permaneceu por quatro anos. De lá, foi para o já gigantesco Bayern de Munique, onde jogou por 15 anos e se tornou uma das lendas do clube bávaro. O sucesso foi tão intenso com a camiseta vermelha quanto ao  com o uniforme branco e preto da seleção alemã.

Defendendo o Bayern, Müller conquistou tudo o que disputou. Foi campeão do Mundial Interclubes em 1976, ao bater o Cruzeiro em Munique e segurar o empate sem gols no Mineirão. No currículo ainda estão três Ligas dos Campeões (antiga Copa dos Campeões) em 74, 75 e 76, além de uma Recopa em 67 e oito títulos nacionais, entre campeonatos e copas da Alemanha.

Gols, prêmios e destaque

Gerd Müller foi um dos principais nomes da Copa do Mundo do México, em 70. Apesar do título brasileiro e do futebol envolvente da seleção canarinho, o alemão chamou atenção pelo talento e pelos números no mundial.

A Alemanha Ocidental superou Marrocos, Bulgária e Peru na fase de grupos e a Inglaterra nas quartas de final, mas caiu na semifinal diante da Itália. Dos 17 gols marcados pela seleção, 10 foram de Müller, o último jogador a emplacar dois dígitos na artilharia de uma edição de Copa do Mundo. Antes dele, somente o francês Just Fontaine (13 gols em 58) e o húngaro Sándor Kocsis (11 gols em 50) haviam atingido a marca.

Se em 70 Müller se destacou pela eficiência no ataque, e inclusive foi eleito bola de ouro do ano pela revista France Football, nos anos seguintes foi a vez do artilheiro marcar seu nome na história com títulos conquistados com o seu país.

Na edição de 72 da Eurocopa (batizada então de Campeonato Europeu), Müller foi artilheiro com quatro gols e conduziu a Alemanha ao primeiro título da competição. Na decisão contra a União Soviética não pôde faltar a assinatura do goleador, que marcou duas vezes no 3 a 0.

A consagração de um gênio

De fato as Copas entre os anos de 1970 e 1986 foram especiais para todos os apaixonados por futebol graças aos inúmeros talentos distribuídos entre os países europeus e sul-americanos.

Entre 74 e 78 a Holanda se destacou e é considerada até hoje a campeã moral, com o futebol envolvente de Cruyff, Rensenbrink e companhia, que, comandados por Rinus Michels, colocaram Brasil, Uruguai e Argentina no bolso no mundial da Alemanha, em 1974.

Solta em campo e com enorme dinamicidade e qualidade técnica, a Holanda bateu na trave pela primeira vez na decisão contra a Alemanha Ocidental, que chegou à final depois de passar pela vizinha Oriental, Austrália e Chile na primeira fase, e Polônia, Suécia e Iugoslávia, na segunda.

Justiça seja feita, se os holandeses encantavam dentro das quatro linhas, os alemães também jogavam o fino da bola. A defesa comandada por Beckembauer, a velocidade na saída de jogo de Breitner, a qualidade técnica do meio de campo e a eficiência de Müller no ataque eram elementos essenciais de um time campeão.

Em 7 de julho de 74, Holanda e Alemanha decidiram a Copa do Mundo em Munique. Neeskens abriu o placar no início do jogo para os holandeses. Mas Breitner, aos 25 minutos deixou tudo igual. Coube ao eterno camisa 13, Müller, virar a partida e dar o segundo título mundial à Alemanha.

Com quatro gols na Copa de 74, Müller se tornou o maior artilheiro da historia dos mundiais. Esse feito só foi ultrapassado 32 anos depois, quando Ronaldo marcou seu 15° gol em Copas diante de Gana, por coincidência, na edição de 2006 do mundial da Alemanha.

Depois de vencer a Copa do Mundo, Müller foi multicampeão com o Bayern de Munique. Ele só deixou o clube em 79, quando se aventurou no Fort Lauderdale Strikes, dos Estados Unidos, onde permaneceu até 81, quando se aposentou do futebol aos 36 anos.

Os títulos e gols marcados por Gerd Müller são reverenciados até hoje na Alemanha. Ao lado de Beckembauer, Müller é lembrado pelos alemães como um dos maestros do título mundial de 74.

Em 2015 ele foi diagnosticado com Alzheimer. Na época a diretoria do Bayern ofereceu ajuda ao ex-jogador, que estava internado em uma clínica de idosos. Mesmo com a gravidade da doença, o quadro clínico de Gerd Müller é estável.

O Bayern de Munique homenageou o 72° aniversário de Müller com publicações nas redes sociais.

Leandro Oliveira

Leandro Oliveira é estudante de jornalismo e apaixonado por futebol. Trabalhou como repórter esportivo por emissoras de rádio e jornais impressos do Vale do Paraíba, além de ter criado pequenos projetos na área esportiva nesta região. Decidiu apostar na idealização do Tempo de Bola por acreditar na realização de um trabalho diferenciado na elaboração de pautas, apuração, construção de conteúdo e publicação de matérias e reportagens multimídia. “É necessário fugir do jornalismo esportivo comum, buscar novos caminhos, fazer um trabalho sob outra ótica e com qualidade”, destacou.

Compartilhe:

Facebook
Facebook
Google+
http://www.tempodebola.com/2017/11/03/em-1945-gerd-muller-nascia-para-revolucionar-o-futebol-alemao">
Twitter
INSTAGRAM

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*